rf_cchevelu_31

COMO TORNAR O SEU COURO CABELUDO MENOS OLEOSO

Ter o couro cabeludo oleoso significa ter um cabelo que parece "sujo" todas as noites, um corte de cabelo que perde o seu encanto à medida que o dia avança... Estes inconvenientes levam frequentemente à necessidade urgente de lavar o cabelo todos os dias!

Tudo isto se deve a uma secreção excessiva de sebo. Quando é produzido em abundância pelo couro cabeludo, o sebo unta as raízes do cabelo, que se tornam pesadas e colam-se umas às outras.

A sociedade de hoje dá grande importância à aparência. Para satisfazer estes critérios físicos, que nos são ditados pelas atuais tendências de beleza, o cabelo deve apresentar-se saudável, resistente e brilhante.

No entanto, é muito difícil cumprir este critério quando o couro cabeludo está oleoso.

Perante um cabelo que fica oleoso demasiado depressa, certos gestos de beleza repetem-se dia após dia. O objetivo é recuperar a leveza e o brilho natural do cabelo - a longo prazo.

Couro cabeludo oleoso: produção excessiva de sebo

O couro cabeludo torna-se oleoso quando sofre de hiper-seborreia.

Antes de discutir as causas e consequências desta hiper-seborreia no couro cabeludo, é importante esclarecer o papel da própria seborreia.

Seborreia do couro cabeludo: um mecanismo complexo

Seborreia é o processo natural de secreção sebácea pelas glândulas sebáceas. Desempenha várias funções na pele e, portanto, sobre o couro cabeludo.

É um fenómeno fisiológico cujo papel essencial é proteger o fio capilar e o couro cabeludo.

O sebo é um elemento natural e necessário para o bom funcionamento deste órgão: a pele.

O sebo é uma substância segregada pelas glândulas sebáceas, que são particularmente grandes e abundantes no couro cabeludo. Existem entre 400 e 900 por cm². O sebo é essencial para a boa saúde do couro cabeludo e do cabelo.

Tem uma verdadeira função protetora sem a qual o couro cabeludo e o cabelo ficariam desidratados. Sem sebo, o couro cabeludo ficaria extremamente tenso e o cabelo muito frágil e quebradiço.

O sebo é, portanto, necessário para manter o cabelo bonito, suave e naturalmente brilhante.

É uma substância gordurosa, uma vez que é muito rica em lípidos:

  • 57,5% triglicéridos
  • 26% ceras
  • 12% esqualeno
  • 5% colesterol

O sebo espalha-se pelas camadas mais exteriores do nosso corpo, especialmente na superfície da pele e do cabelo. Assim, proporciona uma função de barreira contra as agressões externas e ajuda a reter a água.

A glândula sebácea é como uma fábrica

Pode ser decomposta em 2 partes principais:

  • o fio de cabelo, que é a parte visível do cabelo
  • o folículo piloso, a verdadeira raiz interna, profunda e viva do cabelo, que é implantada na derme. Ele próprio é composto por:
    • o bolbo capilar, que é responsável pela síntese da queratina e do cabelo
    • a glândula sebácea, que produz o sebo que é transportado através da conduta sebácea até ao bolbo capilar, depois para o couro cabeludo e ao longo do fio capilar.

 

As etapas da seborreia

Aqui estão as fases deste processo:

1. A testosterona é transportada para o folículo capilar

A testosterona é um andrógeno que está presente tanto em homens como em mulheres. Está envolvido em vários metabolismos do corpo humano. É transportado no sangue e é ativado no bolbo capilar. Uma vez na glândula sebácea, passa através das membranas celulares das células que a constituem.

2. O papel do 5α-reductase

Na célula, a testosterona interage com uma enzima lipofílica, 5-alpha-reductase. Esta enzima converte a testosterona em diidrotestosterona (DHT).

3. Estimulação da glândula sebácea

O DHT tem uma forma molecular particular que lhe permite ligar-se aos seus próprios recetores localizados no núcleo da célula. A ligação de DHT ao núcleo envia uma mensagem para as células: o sinal para produzir sebo.

O caso de hiper-seborreia causadora de um couro cabeludo oleoso

Os sinais de um couro cabeludo oleoso

A seborreia do couro cabeludo é um fenómeno metabólico que funciona em modo de "estímulo-resposta". O seu objetivo é proteger permanentemente a superfície do couro cabeludo e o fio capilar.

No entanto, as suas flutuações - quer em excesso, quer em deficiência - podem levar a desequilíbrios. Quando a taxa de produção de sebo é superior à média, falamos de hiper-seborreia.

Um couro cabeludo pode ser caracterizado pelo seu nível de excreção sebácea:

  • couro cabeludo seco: menos de 120 mg/cm².
  • couro cabeludo normal: de 120 a 190 mg/cm².
  • couro cabeludo oleoso: acima de 190 mg/cm².

Fatores que desencadeiam a hiper-seborreia

Existem várias causas que podem estimular ou acentuar a hiper-seborreia.

Um fator genético: hiperatividade da glândula sebácea.

A glândula sebácea é, na realidade, um órgão andrógeno dependente. Isto significa que os andrógenos (ou hormonas masculinas) são o principal estímulo para a glândula sebácea. Esta hiperatividade pode, portanto, ser causada por:

  • ou um aumento de andrógenos circulantes. Este é o caso menos frequente. É então uma verdadeira patologia;
  • ou hiperatividade isolada da 5α-reductase, o que conduz a uma desregulamentação da sebogénese.

Agressões externas: climatéricas ou químicas

  • poluição, exposição prolongada ao sol
  • estilização, secagem com muito calor
  • produtos de cuidados do cabelo inadequados e irritantes que descascam o couro cabeludo e causam hiperborreia reacional.

Stress emocional, tensão nervosa que agrava a função sebácea.

Certos medicamentos: antibióticos, diuréticos, anticoagulantes.

Certas doenças: tais como a doença de Parkinson.

Perturbações endócrinas.

As consequências de um couro cabeludo oleoso não são apenas estéticas

Os principais inconvenientes da hiper-seborreia são certamente estéticos.

As pessoas com um couro cabeludo oleoso queixam-se, acima de tudo, que o seu cabelo é difícil de pentear e que é impossível mantê-lo no lugar por muito tempo. O seu cabelo é liso, baço e sem volume.

Na verdade, o cabelo é pesado nas raízes, como se estivesse sobrecarregado por este sebo excessivo. Perde a leveza e o brilho. Aglomera-se em pedaços. Já não respira e fica com uma aparência pesada.

Mas o excesso de secreção sebácea também conduz a complicações cutâneas

Conduz à proliferação da flora saprofítica lipofílica, constituída por bactérias e leveduras. Esta flora, através das lipases que produz, hidrolisa os triglicéridos no sebo em ácidos gordos livres.

Estes ácidos gordos são irritantes. Provocam uma reação inflamatória que continua a estimular a glândula sebácea e, por conseguinte, conduz à hiperborreia. É um círculo vicioso!

Hyper-seborrhea também pode levar àqueda de cabelo

A ação mecânica da estilização ou do champô (dependendo do tratamento utilizado) levará ao excesso de sebo produzido a obstruir os poros do couro cabeludo e a bloquear as glândulas sebáceas. O fornecimento de oxigénio e nutrientes aos folículos capilares é então reduzido.

A longo prazo, o cabelo pode sofrer com esta má nutrição, ficar exausto e cair. É portanto necessário agir o mais rapidamente possível para reduzir ou travar a queda de cabelo.

Como tratar um couro cabeludo oleoso

Estes problemas de hipersecreção sebácea são altamente sensibilizantes.

Aqueles que as experimentam precisam de um programa de cuidados adequado para tratar tanto os sintomas como a causa do problema.

Na Europa, 19% das mulheres têm um couro cabeludo oleoso. Os homens também são afetados, com 21% a apresentar o mesmo problema.

Para restaurar a saúde e beleza do seu cabelo, estas pessoas precisam de produtos capilares eficazes de combate ao óleo, adaptados à sua situação.

Recomendamos a escolha de um champô ultrassuave com um pH neutro que satisfaça alguns critérios:

  • que elimine o sebo e proporcione uma sensação limpa e fresca desde a primeira utilização
  • que restabeleça o equilíbrio do couro cabeludo
  • que reduza a frequência das lavagens com champô.

Curbicia: semente de abóbora, o melhor amigo do couro cabeludo oleoso

Entre os ingredientes ativos de origem natural à nossa disposição, a curbicia - ou, mais simplesmente, óleo de sementes de abóbora - desempenha um papel excecional na luta contra a produção excessiva de sebo responsável pelo couro cabeludo oleoso.

Atua em dois níveis complementares.

Em primeiro lugar, reduz a produção de lípidos pelos sebócitos da glândula sebácea.

Em segundo lugar, este ingrediente ativo inibe a enzima que transforma a testosterona num sinal nas glândulas sebáceas. De facto, a testosterona (este androgénio) está envolvida no processo de produção de sebo. Transformou-se nas glândulas sebáceas para se transformar num sinal de produção sebácea.

É aqui que entra a curbicia: reduz a transmissão deste sinal ao tomar o lugar desta enzima no recetor. Desta forma, a ordem de sobreprodução sebácea é bloqueada!

Quer se utilize um champô ou um tratamento especializado, o primeiro sinal concreto de que o produto está realmente a fazer a sua magia é que o utilizador pode espaçar a frequência das suas lavagens.

 

Couro cabeludo oleoso: dicas úteis!

Dica 1: Evite esfregar o couro cabeludo, pois isto ativa a microcirculação e traz o sebo para a superfície.

Dica 2: Aumente o espaço entre lavagens. Alterne com um champô seco que absorve tanto as impurezas como o excesso de sebo. O cabelo leve e o volume são restaurados!

OS NOSSOS PRODUTOS CRIADOS PARA SI

Produto principal
Concentrado Suavizante Refrescante com Óleos Essenciais Frios

Astera Fresh

Concentrado Suavizante Refrescante com Óleos Essenciais Frios

Traz saúde e beleza

Champô Normalizante Leveza

Curbicia

Champô Normalizante Leveza

Purifica, regula a produção de sebo

rf_engag_engagements
Back to top