rf_mag_ri_silicone_principal_visual_1-1

O ingrediente certo

Silicones
em julgamento

Silicones: desvendando a verdade dos mitos

Aderiram ao clube do "não": estes ingredientes que, até agora, têm sido quase incógnitos e foram proibidos na embalagem de quase todos os produtos cosméticos. Mas porque é que foi declarada guerra aos silicones? Serão eles realmente tão maus rapazes? Estamos realmente a acabar completamente com eles? Contamos-lhe tudo isto, de forma simples e sem aditivos.

O que são silicones?

Comecemos por esclarecer algumas coisas: não há UM silicone, mas MUITOS silicones, e nem todos são iguais! Os silicones são ingredientes sintetizados que provêm da sílica, um composto mineral encontrado literalmente debaixo dos nossos pés, uma vez que é o principal componente da areia. Inventado por um investigador americano na véspera da Segunda Guerra Mundial, os silicones rapidamente encontraram o seu lugar em muitas indústrias devido à sua versatilidade e baixo custo de fabrico. Podem ser encontrados em tudo, desde vedações de casas de banho a espuma resistente ao fogo em aviões, e claro, em cosméticos.

Porquê tanto amor pelos silicones? Nos cosméticos, o seu interesse vem do facto de funcionarem como uma película impermeável que se espalha sobre a superfície da pele, ou cabelo no nosso caso, e cria um invólucro quase impenetrável. Esta bainha inerte prende-se ao cabelo e impede a elevação das fibras de queratina, assegurando um resultado imediato e visível em termos de brilho e facilidade de desembaraçamento. Na maioria das formulações, o silicone é também um factor sensorial: ajuda a desenvolver suavidade ao toque ou facilidade de aplicação. Os silicones não têm outra função que não seja embainhar o cabelo; não são hidratantes nem reestruturantes; cobrem, como um filme plástico. E é aí, como vê, que residem os seus problemas.

Mas qual é o seu problema?

A lista de queixas é bastante extensa e depende muito do tipo de silicone utilizado, mas podem ser agrupadas em duas categorias: impactos ambientais e impactos na saúde. 

O seu registo ambiental não é assim tão bom: os silicones são de facto substâncias muito poluentes. Porque é que isto acontece? Muito simplesmente por causa da sua qualidade principal: ser estável. Estes "falsos amigos" da fibra capilar não podem ser quebrados e não se desintegram em circunstância alguma. Uma vez enxaguados, acabam na água, reagrupam-se e continuam a asfixiar tudo o que encontram. Além disso, como não são biodegradáveis, podem levar vários séculos a desaparecer. A União Europeia restringiu muito estritamente a sua utilização em produtos de enxaguamento: a concentração de dois tipos de silicones, D4 e D5, já não pode exceder 0,1%.
Do lado humano, alguns deles são suspeitos de serem desreguladores endócrinos, enquanto outros são ditos comedogénicos. Em qualquer caso, embora o perigo de um determinado tipo de silicone ainda não tenha sido cientificamente estabelecido, a sua acumulação já é objeto de vigilância há muitos anos. É fácil de compreender que um produto cuja única ação é envolver pode ter - numa concentração demasiado grande - um efeito sufocante, que acaba por realizar o oposto do que se pretendia inicialmente, ou seja, um cabelo saudável. O efeito oclusivo dos silicones também afeta o couro cabeludo e pode agravar os seus desequilíbrios (especialmente para os couros cabeludos oleosos).

Para tornar as coisas ainda mais pesadas, os silicones são um verdadeiro disfarce: o seu efeito de brilho imediato esconde a verdadeira batalha que o seu cabelo está a travar. Impedem que os produtos de tratamento penetrem na fibra e nutram o cabelo. Isto conduz a problemas a longo prazo, tais como o desaparecimento do filme hidrolipídico, a desestruturação do cimento intercelular, ou a subnutrição. O resultado é um cabelo danificado ou cada vez mais seco.

Adeus meu amante?

Devemos dizer adeus aos silicones e à sua promessa de brilhar como a um ex que era um pouco tóxico mas que parecia bem nas fotos? Em qualquer caso, esta é a escolha que muitos profissionais da indústria cosmética fizeram, sem sacrificar o cabelo cheio de brilho e suavidade! Na René Furterer, a mudança foi total: atualmente, 99% dos nossos produtos são formulados sem silicones. A solução foi encontrada utilizando emolientes naturais e agentes de revestimento, que fornecem proteção e nutrição à fibra capilar e promovem um resultado duradouro.

Um último conselho para aqueles que ainda estão relutantes em virar a página: limite o seu uso de silicones ao essencial, um único produto para o qual não pode encontrar um equivalente, por exemplo, e opte por fórmulas sem silicone para os seus produtos mais comuns. Para os detetar, olhe para a lista de ingredientes e procure por -ciloxano, -silano ou -terminas de silicone; estão frequentemente no topo da lista porque estão presentes em grandes quantidades.
O ambiente, e o seu cabelo, agradecer-lhe-ão. 

 

HC_FOOTER_1
Back to top