rf_mag_mmhai_nathaliegrand_principal_visual_1-1 960x830

Eu, o meu cabelo, etc.

O cabelo crespo e as minhas origens

Nathalie Grand

Redescobrindo a verdadeira natureza do meu cabelo crespo

Amacia o seu cabelo com apenas um gesto. Este belo volume é "o meu material para esculpir", diz ela, sorrindo. Nathalie é de origem mista francesa e togolesa, e usa um gracioso e ousado corte afro natural. Cabeleireira e maquilhadora para a indústria audiovisual, publicidade e eventos, adora tanto as suas escovas quanto as suas tesouras e considera sempre a beleza na sua totalidade. Os seus caracóis minúsculos saltam à volta do rosto e libertam uma energia infecciosa. Ela, o seu cabelo fino e os seus olhos atrevidos formam um todo. Mas nem sempre foi esse o caso. Ao deixar o seu cabelo crespo ao natural há 12 anos, Nathalie aprendeu a compreendê-lo. E para se reconhecer a si própria.

  • <span class="ezstring-field">rf_mag_mmhai_nathaliegrand_triptych_visual_01 375x532</span>
  • <span class="ezstring-field">rf_mag_mmhai_nathaliegrand_triptych_visual_02 374x532</span>
  • <span class="ezstring-field">rf_mag_mmhai_nathaliegrand_triptych_visual_03 374x532</span>

Como descreveria o seu cabelo?

O meu cabelo está um pouco louco, indisciplinado, diria eu. Mas é essa a sua natureza, tem de se aceitar dessa forma. Pode ser domada, mas não completamente. Eu sou de raça mista, togolesa e francesa. O meu cabelo também é uma mistura. Num lugar pode ser muito encaracolado, noutro pode ser ligeiramente mais liso, pode encaracolar numa direção ou noutra... O meu cabelo improvisa, gosta de me surpreender. É preciso conhecê-lo e conduzi-lo na direção certa.

 Sempre adorou o seu cabelo?

Agora adoro-o. Mas odiei-o durante muito tempo. Este cabelo não se encaixava, não assentava bem. A minha mãe e a minha avó ensinaram-me a escondê-lo. Desde muito jovem que alisava o meu cabelo. Fazia tranças com extensões. E depois, pouco a pouco, fazia a mim própria a pergunta: qual o porquê desta rejeição, que é bastante generalizada, mesmo no seio da comunidade negra? Porque é transmitido de geração em geração? Por isso investiguei, e encontrei um livro interessante de uma socióloga da Índia Ocidental, Juliette Smeralda: "Peau noire, cheveu crépu: l'histoire d'une alienation" ("Cabelo preto e crespo: a história de uma alienação"). Percebi que remonta ao tempo da escravatura. E é esta relação, entre o dominante e o dominado, que mudou para sempre a relação que os africanos têm com o seu cabelo. Hoje em dia, estes estigmas são passados, sem que ninguém preste realmente atenção. Ninguém, nem mesmo os meus amigos mais próximos, tinha alguma vez visto o meu cabelo verdadeiro. E então um dia descobri-o realmente.

rf_mag_mmhai_nathaliegrand_verbatim_visual_01
Ninguém, nem mesmo os meus amigos mais próximos, tinha alguma vez visto o meu cabelo verdadeiro.
rf_mag_mmhai_nathaliegrand_verbatim_visual_02 368x460

O que aconteceu há 12 anos?

Um amigo muito querido, um cabeleireiro que andava comigo na escola de maquilhagem, disse-me uma vez: "Ficavas melhor com um corte pixie, sabes." Respondi-lhe "Não estamos nos anos 80, por isso não obrigado, não é para mim." E, por fim, convenceu-me. Estava a separar-me na altura. Estava muito infeliz. E como a maior parte das vezes, quando estamos no fundo do poço, dizemos a nós próprios: Quero mudar tudo. Então disse-lhe: faz o que quiseres. E ele cortou tudo. Bem, continuei a chorar, mas não tinha a certeza se era da separação ou do corte de cabelo, ou de ambos. (risos). Não gostei, mas, de qualquer forma, chutei para canto. Senti que tinha de passar por isso. E voltou a crescer. Muito crespo. As pessoas paravam-me na rua e diziam: "Uau, é como Michael Jackson, é espantoso!"  E eu pensava: Bem, é o meu cabelo!

A rotina de Nathalie

Antes de mais, não posso escovar o meu cabelo todos os dias! Caso contrário, acabo com uma enorme confusão frisada, e não funciona de todo. O cabelo crespo é o tipo de cabelo mais fino. Parte-se muito facilmente. Se o escovar, é sempre quando está molhado, depois de aplicar uma máscara. Os champôs e máscaras Karinga de René Furterer têm um efeito imediato no meu cabelo. Também utilizo um pente com dentes muito, muito largos.

Após o champô, aplico a máscara no meu cabelo.

1

Após o champô, aplico a máscara no meu cabelo.

Aguardo durante 10 minutos, enxaguo, embrulho uma toalha à volta da cabeça e maquilho-me.

2

Aguardo durante 10 minutos, enxaguo, embrulho uma toalha à volta da cabeça e maquilho-me.

Seco bem o meu cabelo.

3

Seco bem o meu cabelo.

Aplico o cuidado Karinga no meu cabelo e depois começo a fazer o meu penteado!

4

Aplico o cuidado Karinga no meu cabelo e depois começo a fazer o meu penteado!

E se eu quiser mudar o meu penteado, puxo o meu cabelo para trás com o meu pente de dentes largos e alguns ganchos. Simples e eficaz!

5

E se eu quiser mudar o meu penteado, puxo o meu cabelo para trás com o meu pente de dentes largos e alguns ganchos. Simples e eficaz!

Como aprendeu a domá-lo?

Antes de poder amar o meu cabelo, eu própria tinha de conhecê-lo. E isso é um problema geral: nunca aprendemos a compreender o nosso próprio cabelo, porque nunca o deixámos ao natural. Percebi rapidamente que era um material extraordinário - muito criativo para se trabalhar. O meu cabelo tem textura por si só. Tanto forte como frágil. Há certas coisas que tem de fazer.

Brinca com estilos diferentes?

Sim, faço frequentemente uma espécie de “mohawk”, adicionando dois ou três gorros; é muito rápido. Adoro puxá-lo para cima. Também gosto de fazer pequenos nós em toda a minha cabeça. Não sabia disto, mas aparentemente é um penteado típico em África, especialmente no meu país, Togo. E eu ainda gosto de entrançar o meu cabelo. Mas é para mudar os meus penteados, não para esconder o meu cabelo natural! 

O que quer transmitir hoje como cabeleireiro?

O meu amor por este tipo de cabelo. Mas vai ainda mais longe: amarmo-nos a nós próprios, aceitarmo-nos a nós próprios e às nossas origens. É um verdadeiro prazer trabalhar com o cabelo afro. Há muitos cabeleireiros que têm medo disso. Mas eu, pelo contrário, aproveito sempre que tenho oportunidade. Porque permite fazer-se imensas coisas com ele. Podemos esculpi-lo como quisermos. Sustenta-se, não é necessário ripá-lo para lhe dar forma; o volume já lá está.

rf_mag_mmhai_nathaliegrand_verbatim_visual_03
É um verdadeiro prazer trabalhar com o cabelo afro.
rf_mag_mmhai_nathaliegrand_verbatim_visual_04 368x460

Os nossos produtos criados para si

HC_FOOTER_1
Voltar ao topo