rf_mag_ft_goingray_principal_visual_1-1

A primeira vez

A primeira vez... Aceitei o meu cabelo branco

Annie,

57 anos

A tornar-se "blande"

Até agora, qualquer sinal de sabedoria não era realmente o meu forte: mesmo o mais pequeno cabelo branco horrorizava-me. Desde os meus 30 anos que pinto o meu cabelo de todas as cores, mesmo com tintas caseiras à base de plantas. Era enfadonho, era caro, e era uma corrida, em vão, contra o tempo, e contra mim próprio. E aquelas raízes brancas que reapareciam todos os meses eram como uma humilhação.

E depois houve uma mudança na minha vida. Um novo emprego. Fui transferida para o departamento que me interessava há anos. Aos 57 anos, senti-me no topo do meu jogo. Não tinha mais nada a provar... bem, quase nada. Ali estava o meu cabelo. Queria estar em paz com ele. Já não queria estar a viver uma mentira. Disse a mim mesma que, afinal de contas, os sinais do tempo não são uma catástrofe. Não vou lutar toda a minha vida!

Mas eu ainda me fazia mil perguntas: os meus olhos não ficarão muito escuros? Vai combinar com o meu cabelo encaracolado? Em suma, estava à procura de todas as desculpas para adiar o momento.

O meu verdadeiro medo era o julgamento dos meus entes queridos. Decidi fazer o teste em casa. A minha filha achou que era ótimo: "deixar ficar o cabelo grisalho é muito fixe", disse ela. No fundo, aos vinte anos, ela via-o como um jogo. Sentia menos pressão social.
Perguntei diretamente ao meu marido se ele ainda amaria uma mulher de cabelo branco. Ele sorriu. “Serás única”, respondeu. Senti-me um pouco desencorajada, mas mesmo assim não queria ser notada.

Pesquisei por conselhos e encontrei entre termo intrigante: “Blande”, uma palavra francesa que etimologicamente significa “suave, doce, gentil”. Sophie Fontanel, uma famosa romancista e crítica de moda, tinha-o criado. Saí a correr para comprar o seu último livro, "Une apparition", que se debruça sobre esta questão. Afirma que foi o seu cabelo branco que lhe abriu os olhos. Li-o de uma assentada. Fala de renascimento, honestidade, liberdade. Eu pensei: porque não eu? Passo todo o meu tempo a pregar a aceitação do corpo, então porque me estou a passar com um punhado de cabelos brancos? Foi um abre-olhos.

Bem, o período de transição entre o cabelo pintado para o branco foi muito complicado. Mas senti-me cada vez mais em sintonia com a minha escolha. Passado um ano, vi finalmente a luz ao fundo do túnel. E tive o apoio inabalável do meu marido desde o início.

Hoje sinto-me realizada. Aliviada. Compreendi que mostrar os cabelos grisalhos significa libertar-me do medo do envelhecimento. Assim o afirmou a autora Tatiana de Rosnay. Temos inúmeras mulheres inspiradoras!

Com este cabelo branco, até descobri um novo encanto. É uma loucura: na rua, numa multidão, somos vistas, tornamo-nos visíveis. Ao contrário do que se possa pensar, os homens vêem-nos. E parece que o meu se apaixonou novamente!

Os nossos produtos criados para si

Champô Antiamarelecimento

Okara Silver

Champô Antiamarelecimento

Limpa suavemente, neutraliza tons amarelos

Bálsamo Cuidado de Luminosidade

Okara Silver

Bálsamo Cuidado de Luminosidade

Desembaraçar, neutraliza tons amarelos

 

HC_FOOTER_1
Back to top